» Galeria » 2017 » “Percepção das Esquinas” 25 de Maio - 16 de Junho de 2017

No Coraçâo da Polana

No Coraçâo da Polana
“Percepção das Esquinas” 25 de Maio - 16 de Junho de 2017

Percepção das Esquinas

“Percepção das Esquinas” 25 de Maio - 16 de Junho de 2017

Inaugura-se a 25 de Maio, pelas 18 horas, na Galeria Kulungwana, Estação Central dos CFM, a exposição “Percepção das Esquinas”, de autoria de Tomo. Esta exposição tem o seu término em 16 de Junho próximo.

Tomo (Bento Carrula Tomo (Maputo, 1959) é um dos jovens artistas que surgiu no período imediatamente a seguir à independência de Moçambique, num grupo que integrava ainda outros nomes importantes da pintura moçambicana, como de Bento Mukeswane (1965 – 1999), Pompílio Gemuce (1963), Miro (1965 – 2002) ou Kheto Luluali (1965).

O seu envolvimento nas questões culturais começou ainda adolescente, tendo-se então dedicado à música. Exerceu igualmente actividade enquanto professor.

Começou a pintar no início da década de 80, tendo começado a participar em exposições colectivas na década seguinte, sendo uma presença constante nas galerias da cidade até aos inícios dos anos 2000. Realizou a sua primeira individual em 2005. A sua última individual – Janela do Mendigo – ocorreu já em 2013. Participou ainda em importantes workshops nacionais e internacionais, enquanto membro do Núcleo de Arte, tendo integrado a direcção desta associação.

Desta intensa actividade, no decorrer dessas duas décadas, Tomo recebeu importantes prémios nacionais, nas Bienais TDM’99 (1.º Prémio de Pintura) e na Bienal TDM’2001 (2.º Prémio de Pintura) e Anual MUSART 2001 (2.º Prémio de Pintura).

A sua pintura desde cedo mereceu a atenção da crítica pela sua ousadia. Priveligiando as grandes superficies, recorrendo a cores fortes, o artista é criador de espaços sub-urbanos, aparentemente caóticos, tal como alguns títulos das suas exposições deixam entender. A sua pintura tem sabido renovar-se mantendo uma linha de grande coerência.

Os conhecedores e apreciadores de arte moçambicana têm assim o privilégio de poder ver novamente as obras deste artista que, de alguns anos a esta parte, se tem afastado do movimento artístico local.